FORMATOS DE SUBMISSÃO

ACADEMIA SCIBIZ

Submissões até 01/03

MISSÃO

No contexto da SciBiz Conference, a Academia SciBiz é uma iniciativa que tem por missão acolher e divulgar produtos e projetos inovadores com potencial impacto para a sociedade e para o mercado

SciBiz

FEA – USP
30 e 31 MARÇO – 2020

Comitê Coordenador da Academia SciBiz

Prof. Dr. Roberto Bernardes

Professor do Centro
Universitário da FEI

Profa. Dra. Liliam Sanchez Carrete

Professor do DA da FEA-USP, atua na AUSPIN e Vice-Coordendora do EMPRAD

Prof. Dr. Felipe Mendes Borini

Professor do Departamento de Administração da FEA-USP

Programação

Veja a programação detalhada do SciBiz 2019

OBJETIVOS

  • Iniciativa dentro da SciBiz Conference que tem por objetivo estabelecer a conexão entre competências científicas, produtos, soluções, patentes e projetos tecnológicos das universidades e institutos de CT&I  com potencial impacto de inovação com o mercado e sociedade.
  • Estimular o debate sobre o rigor metodológico, a originalidade, complexidade e impacto das soluções e dos problemas abordados para a posterior aplicação no mercado e sociedade. 
  • Mobilizar a comunidade científica e acadêmica e identificar temas sensíveis para propor soluções aplicadas e com alto impacto direcionada para os desafios tecnológicos, econômicos e sociais do país
  • Promover o conhecimento formativo para a aplicação de métodos e técnicas avançadas para a pesquisa científica e tecnológica e sua efetiva implementação no mercado e sociedade. 

PROPOSIÇÃO DE VALOR DA ACADEMIA SCIBIZ

  • Iniciativa para promover a conexão entre a universidade e mercado de produtos e projetos tecnológicos, patentes, competências científicas e soluções tecnológicas 
  • Forte conexão com o mercado e sociedade (participação de mais de 300 empresas)
  • Novos modelos de submissão alinhados ao GT de produtos tecnológicos da CAPES
  • Novos formatos de submissão incluindo vídeos, podcasts, documentos gráficos, link para aplicativos, dentre outros

MODELO E FORMATO DE SUBMISSÃO

DOS PRODUTOS E PROJETOS TECNOLÓGICOS (ACADEMIA SCIBIZ) E
DOS ARTIGOS TECNOLÓGICOS (EM PARCERIA COM O EMPRAD)

Caso ou Relato Técnico que apresente e descreva o desenvolvimento e o impacto da empresa ou organização social (inovadora). O destaque do caso ou do relato tem que ser para o aspecto da inovação.

Nota: Uma empresa ou organização social inovadora é aquela formada com base em produto, serviço ou processo tecnológico.

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Documento de texto e/ou
  • Vídeo e/ou
  • Podcast

 

Responsável

Edson Sadao Iizuka

 Graduado (1996), Mestre (2003) e Doutor (2008) em Administração Pública e Governo pela FGV-SP. Líder na área de Empreendedorismo Social do SEMEAD da FEA-USP (desde 2007). Assessor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP – Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE). É docente nos cursos de graduação, mestrado e doutorado em Administração no Centro Universitário FEI. Foi reeleito Vice-Presidente da Associação Nacional dos Cursos de Graduação em Administração – ANGRAD para o mandato 2020-2021.

 

Caso ou Relato Técnico que apresente e descreva o desenvolvimento e o impacto do processo/tecnologia e/ou produto/material inovador. O destaque do caso ou do relato tem que ser para o aspecto da inovação.

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Documento de texto e/ou
  • Vídeo e/ou
  • Podcast

Responsável


Alvair Silveira Torres Jr.

Professor Doutor na área de Operações e Logística da FEA – USP. Membro do Corpo Permanente do Programa de Mestrado Profissional em Empreendedorismo da FEA-USP e líder do grupo de pesquisa aplicada em Excelência de Operações – NUPEXO. Exerceu por 17 anos posições de executivo no corpo gerencial da Mercedes-Benz do Brasil com experiência no Brasil, Argentina, Alemanha e EUA . Graduado em Tecnologia de Produção e Processos (UNESP-SP), Mestre em Administração de Empresas (PUC-SP) e Doutor em Comunicação Organizacional ( Univ. Metodista – SP). Obteve o grau de especialista (sensei) em Lean Management e Lean Production pela Shingijutsu Consulting Co. do Japão e EUA. Colaborou com o Lean Institute Brasil (São Paulo – SP) e Lean Enterprise Institute (Michigan-EUA) na elaboração de métodos de aplicação dos conceitos de Agile e Lean no desenvolvimento de processos, produtos e modelos de negócios. Tem experiência com empresas nos ramos de Automobilística, Óleo e Gás, Químicas e Farmacêuticas, Serviços, Comunicação, Alimentos, Engenharia de Produto. Autor ou coautor dos Livros: Integração e Flexibilidade (2004), Gestão do Conhecimento nas PME (2003) , Pequeno Dicionário de Termos da Empresa Globalizada (2004), Tomada de Decisão nas Organizações (2011), New Paths of Entrepreneurship Development (2019), Lean Startup e Lean Development – perspectivas brasileiras ( no prelo). Ganhador do Prêmio INTERCOM 2001 de melhor tese de doutorado, segundo colocado do prêmio Pricewaterhouse Coopers de Inovação Gerencial em 2002 e prêmio de melhor trabalho na área de Operações e Logística no XIX ENANGRAD em 2008. Desenvolve trabalhos de pesquisa aplicada sobre o desenvolvimento de produtos, processos e novos negócios com a abordagem do Lean Development, Agile e Lean Startup. Sua produção técnica e acadêmica engloba mais de 80 publicações que podem ser apreciadas na página pessoal do ORCID < https://orcid.org/0000-0002-6065-233X > ou no Google Acadêmico < https://scholar.google.com.br/citations?user=-rqbEd0AAAAJ&hl=pt-BR >

O relatório técnico para o SciBiz 2020 tem como foco conteúdos que contribuam para a gestão de inovação, grande desafio enfrentado por economias como a nossa, segundo o World Bank* e quando se observa as diferentes dimensões do GII**. Acreditamos que a pesquisa aplicada e estudos realizados pela academia, por empresas, por associações de classe podem contribuir para encontrar melhores caminhos para viabilizar e potencializar a inovação, principalmente colaborativa em redes.

Deste modo, os relatos devem trazer diagnósticos, tendências, recomendações que sejam fundamentadas em pesquisas aplicadas ou estudos que deverão ser base para painel de discussão com experts do ecossistema de inovação.

O relato de texto para essa modalidade tem as seguintes regras.

Tamanho do documento

O relato não pode passar de 10 páginas. Não existe número mínimo de páginas. Fonte times new roman (12).

Formato
1. Introdução (obrigatório) – sugestão: 1 a 2 páginas

Sugerimos que na introdução seja apresentado os seguintes pontos:

• Uma breve contextualização
• O objetivo da pesquisa
• Os possíveis impactos das tendências/recomendações na empresa/ ou no mercado/ ou na sociedade, enfim no ecossistema de inovação e suas em relações/resultados.

2. Referencial (não obrigatório caso) – sugestão: 1 a 2 páginas

Sugerimos de uma a duas páginas que mostre o principal framework, ferramenta, esquema de análise etc., que serviu de base para a análise e resolução do problema.

A sugestão é que seja de 1 a 2 páginas

1. Metodologia geral (obrigatório) – sugestão: 1 a 2 páginas

Sugerimos que seja descrito a abordagem. Se foi qualitativa ou quantitativa. Ademais de modo geral como foram coletados os dados e os instrumentos de pesquisa. A coleta se valeu de levantamento de dados primários, secundários, foi utilizado entrevistas, observações (diretas & indiretas), focus group, documentos, etc.

2. Resultados (obrigatório) – sugestão: 4 a 6 páginas

Essa é a principal parte do relato. Aqui esperamos a análise dos possíveis impactos das tendências/recomendações na empresa/ ou no mercado/ ou na sociedade, enfim no ecossistema de inovação e em suas relações/resultados.

3. Referências Bibliográficas

Nessa modalidade podem ser submetidos documentos de textos e/ou vídeos e/ou podcasts sobre

  1. Relatório de projeto de pesquisa que envolvam atividades inovadoras;
  2. Relatório de assessoria ou consultoria técnica ou de auditoria de contratos que envolvam atividades inovadoras;
  3. Relatório de impacto ambiental que envolvam atividades inovadoras;

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Documento de texto e/ou
  • Vídeo e/ou
  • Podcast

Responsável:

Luciana Hashiba
Vice-coordenadora da FGVin – Centro de Inovação da FGV EAESP
Luciana atua em inovação aberta desde o início de sua carreira, tendo passado por toda a cadeia de valor da indústria de embalagens. Na Natura realizou a trajetória mais focada em gestão de inovação, passando pela gestão de P&D, liderança de equipe de marketing de projetos de lançamento de novos produtos, chegando à gestão estratégica de inovação e potencialização do seu modelo de inovação aberta em redes. Hoje, além de Vice-coordenadora da FGVin – Centro de Inovação da FGV EAESP, também é Head of Connections na We Fab – Consultoria Maker e Associada Fundadora no Instituto Criafaz – Criatividade para Educação.

Nessa modalidade podem ser submetidos documentos de textos e/ou vídeos e/ou podcasts sobre o desenvolvimento de tecnologias sociais

Nota: De acordo com o Relatório do Grupo de Trabalho da Capes (2019, p. 36), tecnologia social consiste no “método, processo ou produto transformador, desenvolvido e/ou aplicado na interação com a população e apropriado por ela, que represente solução para inclusão social e melhoria das condições de vida e que atenda aos requisitos de simplicidade, baixo custo, fácil aplicabilidade e replicabilidade”.

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Documento de texto e/ou
  • Vídeo e/ou
  • Podcast


Responsável

Graziella Maria Comini

Economista, com mestrado, doutorado e livre-docência em administração pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, FEA/USP, especialização na Harvard Business School e Universidade de Bologna, Professora Associada do Departamento de Administração da FEA/USP, Professora visitante na Universidade de Saint Gallen e Pontifícia Católica do Peru. Coordenadora do Centro de Empreendedorismo Social e Administração do Terceiro Setor (CEATS), Vice-Coordenadora do Mestrado Profissional em Empreendedorismo da FEA/USP, Representante do Brasil no SEKN – Social Enterprise Knowledge Network. Conselheira de empreendimentos socioambientais e negócios sociais no Brasil. Desenvolve projetos nos seguintes temas: gestão de pessoas, empreendedorismo social, responsabilidade social corporativa, negócios sociais e inovação social.

Documento de texto, e/ou documento gráfico, e/ou vídeo, e/ou podcast de descrição e utilidade da patente. Pode ser:

  1. patente de invenção,
  2. patente de modelo de utilidade,
  3. certificado de adição.

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Documento de texto e/ou
  • Documento gráfico e/ou
  • Vídeo e/ou
    Podcast

Responsável:

Ricardo Rodrigues
Pesquisador em propriedade Industrial do INPI desde 2006, atualmente está como Coordenador da Academia de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento do INPI. Atuou como coordenador do Programa de Mestrado e Doutorado Profissional do INPI e chefe de Divisão de Pós-Graduação e Pesquisa do INPI. Possui graduação em Engenharia Química, mestrado e doutorado em Ciências em Engenharia Química pela COPPE/UFRJ. Possui Treinamento em Propriedade Industrial pelos Escritório Europeu e Japonês de Patentes. É Editor da seção de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento, Revisor e Editor Chefe do periódico Cadernos de Prospecção. Coordena a Disciplina de Prospecção Tecnológica do Mestrado Profissional em Rede Nacional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação. Ministra as disciplinas de Introdução à Patentes e Prospecção Tecnológica nos programas de Mestrado Profissional e Doutorado em Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento do INPI. Tem experiência e está envolvido com atividades de ensino e pesquisas nas áreas de Propriedade Industrial, Informação Tecnológica, Teoria da Solução de Problemas Inventivos (TRIZ), Inovação Sistemática e Prospecção Tecnológica.

Documento de texto, e/ou documento gráfico, e/ou vídeo, e/ou podcast de descrição e utilidade. Pode ser:

  1. da marca, ou
  2. do desenho industrial, ou
  3. da indicação geográfica.

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Documento de texto e/ou
  • Documento gráfico e/ou
  • Vídeo e/ou
  • Podcast

Responsável:

Ricardo Rodrigues
Pesquisador em propriedade Industrial do INPI desde 2006, atualmente está como Coordenador da Academia de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento do INPI. Atuou como coordenador do Programa de Mestrado e Doutorado Profissional do INPI e chefe de Divisão de Pós-Graduação e Pesquisa do INPI. Possui graduação em Engenharia Química, mestrado e doutorado em Ciências em Engenharia Química pela COPPE/UFRJ. Possui Treinamento em Propriedade Industrial pelos Escritório Europeu e Japonês de Patentes. É Editor da seção de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento, Revisor e Editor Chefe do periódico Cadernos de Prospecção. Coordena a Disciplina de Prospecção Tecnológica do Mestrado Profissional em Rede Nacional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação. Ministra as disciplinas de Introdução à Patentes e Prospecção Tecnológica nos programas de Mestrado Profissional e Doutorado em Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento do INPI. Tem experiência e está envolvido com atividades de ensino e pesquisas nas áreas de Propriedade Industrial, Informação Tecnológica, Teoria da Solução de Problemas Inventivos (TRIZ), Inovação Sistemática e Prospecção Tecnológica.

Descrição e apresentação do software/aplicativo mostrando suas funcionalidades. Esse documento pode ser submetido via link para o software/aplicativo, e/ou texto, e/ou vídeo, e/ou podcast

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Link para o software/aplicativo e/ou
  • Texto e/ou
  • Vídeo e/ou
  • Podcast

Responsável:

Vagner Bernal Barbeta
É graduado e mestre em Física pela USP. Doutor em Física pela USP/Universidade da Califórnia, San Diego. É professor de dedicação integral na FEI desde 1996, Titular do Departamento de Física, sendo atualmente o Coordenador da Agência FEI de Inovação – AGFEI. Chefiou o Departamento de Física da FEI entre 2002 e 2012 e foi Diretor do Instituto de Pesquisas e Estudos Industriais (IPEI-FEI) entre 2012 e 2019. Foi consultor da Secretaria de Educação a Distância do MEC (SEED-MEC) para avaliação de projetos de EaD. Foi avaliador de cursos e de instituições do INEP e é avaliador de cursos do Conselho Estadual de Educação-SP. Participa como consultor da CAPES para análise de projetos de melhoria da educação básica, formação de professores, valorização das ciências e integração de alunos do ensino médio com o ensino superior. Coordenou o projeto JOVEM, financiado pela FINEP, para valorização da engenharia junto a alunos do ensino médio. Coordenou o projeto financiado pelo CNPq, para implantação do Núcleo de Inovação Tecnológica no Centro Universitário FEI, tendo sido o responsável pela criação da Agência FEI de Inovação. Tem experiência na área de Física, com ênfase em Propriedade e Materiais Magnéticos, nanopartículas magnéticas, deposição de nanopartículas e transições de fase metal-isolante. Atua também nos temas de ensino de física, ensino a distância, computadores no ensino, tecnologia educacional e inovação tecnológica.

Descrição e apresentação da base de dados desenvolvida. Esse documento pode ser submetido via link para a base, e/ou texto, e/ou vídeo, e/ou podcast

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Link para a base e/ou
  • Texto e/ou
  • Vídeo e/ou
  • Podcast

Responsável

Gilberto Perez

Graduado em Engenharia Eletrônica (1982) e Telecomunicações (1983). Graduado em Física pela Universidade de São Paulo (2001). Pós-Graduação em Capacitação Gerencial pela FEA/FIA – USP (1999) e MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FEA/FIA – USP (2001). Mestre (2003) e Doutor (2007) em Administração pela Universidade de São Paulo. Pós-Doutorado na Universidade do Minho – Portugal (2012/2013). É Professor Adjunto I na Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), atuando na Graduação em Administração e Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração (PPGA). Ministra as disciplinas: Gestão da Inovação; Inteligência Estratégica Competitiva e Fundamentos de Investigação Científica. Pesquisa nas áreas de Gestão da Inovação, Sistemas e Tecnologia da Informação.

Descrição e apresentação do desenvolvimento do curso de formação profissional. Podem ser submetidos vídeos e matérias auxiliares que apresentem o curso, assim como, o link para o curso.

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Documento de texto e/ou
  • Link para o curso e/ou
  • Matérias e/ou
  • Vídeo e/ou
  • Podcast

 

Responsável:

Cleidson Nogueira Dias

Doutor em Administração pela Universidade de Brasília (UnB), com Doutorado Sanduíche na Universitat Jaume I (UJI/Espanha). Supervisor na Secretaria de Inovação e Negócios da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Professor credenciado no Mestrado Profissional em Administração Pública da Universidade de Brasília (UnB).

Descrição e apresentação do desenvolvimento do material didático. Assim como, documentos do material didático que podem ser postados no portal ou endereçados via link em que possa ser visualizado o material

Nota segundo “O Grupo de Trabalho da Capes (2019) compõe material didático as seguintes modalidades:

  1. impresso: coleções; livro didático e paradidático; guias; mapas temáticos; jogos educativos;
  2. audiovisual: fotografia; painel cronológico; programas de TV – aberta e/ou fechada; Programas de Rádio – comunitários, universitários, alternativos; Trilha e/ou Paisagem sonora;
  3. novas mídias: CD; CD-ROOM; DVD; e-book.

Não se aplica: apostilas, slides, apresentações e outros materiais elaborados exclusivamente para apoio da atividade do docente nas aulas regulares da graduação e pós-graduação e atividades de extensão.

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Documento de texto e/ou
  • Link para o curso e/ou
  • Matérias e/ou
  • Vídeo e/ou
  • Podcast
 
Responsável:
 

Cleidson Nogueira Dias

Doutor em Administração pela Universidade de Brasília (UnB), com Doutorado Sanduíche na Universitat Jaume I (UJI/Espanha). Supervisor na Secretaria de Inovação e Negócios da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Professor credenciado no Mestrado Profissional em Administração Pública da Universidade de Brasília (UnB).

Descrição e apresentação do desenvolvimento do curso de formação profissional. Vídeos, links e matérias didáticos que ajudam na descrição e apresentação podem ser submetidos em conjunto

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Documento de texto e/ou
  • Link para o curso e/ou
  • Matérias e/ou
  • Vídeo e/ou
  • Podcast

Responsável:

Cleidson Nogueira Dias

Doutor em Administração pela Universidade de Brasília (UnB), com Doutorado Sanduíche na Universitat Jaume I (UJI/Espanha). Supervisor na Secretaria de Inovação e Negócios da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Professor credenciado no Mestrado Profissional em Administração Pública da Universidade de Brasília (UnB).

Protótipo é o termo usado para se referir ao desenvolvimento de design de um produto elaborado pela primeira vez, servindo de modelo físico ou virtual ou molde para testes práticos e o planejamento para produção em larga escala industrial. Um protótipo não precisa se referir exclusivamente aos produtos físicos, mas também a qualquer tipo de versão preliminar de um sistema ou software de computadores que está em fase de testes, por exemplo.
Nesta modalidade poderão ser submetidos:

  • Protótipos físicos;
  • Protótipos virtuais;
  • Moldes para testes;

Obrigatório – Documento de texto ( ver diretrizes )

Adicionais possíveis e incentivados a serem submetidos

  • Vídeo e/ou
  • Fotos e/ou
  • Designs gráficos e/ou
  • Designs virtuais apresentando os protótipos

Responsável:

Oswaldo Horikawa
Nascido em 1960, graduou-se em Engenharia Mecânica pela Escola Politécnica da USP em 1983. Na condição de bolsista do Ministério da Educação do Governo Japonês, concluiu o Mestrado e Doutorado em Sistemas Mecânicos de Precisão no Instituto de Tecnologia de Tokyo (Japão), respectivamente em 1987 e 1991. Atuou ainda como docente na mesma escola de 1991 a 1992. Em 1992, foi admitido como docente na EPUSP onde atua até hoje. Em 2000 obteve o título de Professor Livre Docente, passando à função de Professor Associado. Estando lotado no Departamento de Engenharia Mecatronica, ministra aulas junto ao curso de Graduação em Engenharia Mecatrônica e de pós-graduação em Engenharia Mecânica, coordenando e conduzindo pesquisas em Mecatronica de Precisão e orientando alunos de Mestrado e  Doutorado.

Submissão do artigo tecnológico ou acadêmico sobre inovação e/ou empreendedorismo

A submissão dos artigos tecnológicos deverão ser feitos através do Emprad (Clique Aqui)

Submissões abertas, faça sua submissão até o dia 01 de março

Comitê Científico

Curadores

Edson Sadao Iizuka

Empresa ou Organização Social

Alvair Silveira Torres Jr.

Processo/Tecnologia e/ou Produto/Material Inovador

Luciana Hashiba

Relatório técnico conclusivo

Graziella Maria Comini

Tecnologia social

Ricardo Rodrigues

Patente

Vagner Bernal Barbeta

Software/Aplicativo

Cleidson Nogueira Dias

Curso para formação profissional / Material didático / Capacitações e treinamentos

Gilberto Perez

Base de dados técnico-científica

Oswaldo Horikawa

Protótipos

Martinho Isnard

Emprad

Formato das Apresentações

Cada submissão selecionada terá a oportunidade de apresentar seu projeto/produto tecnológico por 15 minutos.

O objetivo dessa apresentação é que o proponente desperte a máxima atenção para seu projeto/produto tecnológico para que possa discutir o com público acadêmico e empresarial

PREMIAÇÃO

Serão premiadas as melhores submissões de cada uma das 12 modalidades

2.000+

Executivos de empresas líderes de mercado

300+

Startups melhor avaliadas pelo mercado

200+

Tecnologias dos principais centros de pesquisa do país

300+

Investidores

50+

Painelistas representantes do mercado, governo e academia

15+

Palestrantes internacionais

Realizadores

É uma instituição pública de ensino e pesquisa mundialmente reconhecida pela excelência de sua produção acadêmica e de seus cursos, tanto de graduação quanto de pós-graduação. Com mais de 60 anos de existência, a FEA é referência internacional nas áreas que abrange. Nivelando suas atividades pelos altos padrões da Universidade de São Paulo e aliando o conhecimento sobre a realidade brasileira com os referenciais e conhecimentos metodológicos das mais renomadas instituições internacionais, a faculdade é destaque entre as demais na formação de economistas, administradores e especialistas em contabilidade e atuária. 

A Agência USP de Inovação atua na proteção do patrimônio industrial e intelectual, produzido na Universidade, efetuando todos os procedimentos para o registro de patentes, marcas, direitos autorais de livros, softwares, músicas, etc. Além disso, a AUSPIN oferece apoio aos docentes, alunos e funcionários da USP na elaboração de projetos em parceria para melhor gerenciar as relações com os setores empresariais, bem como, comunicar para a sociedade em geral o impacto e os benefícios das inovações guiadas pela ciência desenvolvida pelos pesquisadores da USP. Através de incubadoras de empresas, de parques tecnológicos e de treinamentos específicos, promove o empreendedorismo, oferecendo suporte técnico, gerencial e formação complementar ao empreendedor.

Apoio

PARTICIPE

Garanta sua vaga

Entre em contato